PT | EN

Exibido na categoria Panorama do Anima Mundi 2013, o curta Semáforo é uma homenagem aos artistas de rua. O animador Simón Wilches-Castro explica que se inspirou na enorme quantidade de pessoas forçadas a deixar os territórios rurais em razão da violência do narcotráfico nas florestas colombianas.

Exibido na categoria Panorama do Anima Mundi 2013, o curta Semáforo é uma homenagem aos artistas de rua. O animador Simón Wilches-Castro explica que se inspirou na enorme quantidade de pessoas forçadas a deixar os territórios rurais em razão da violência do narcotráfico nas florestas colombianas.

“Há experiências que não podem ser representadas estando-se sujeito ao tempo, ao espaço e ao realismo. Por isso faço animação”, disse Simón Wilches-Castro

Quando chegam à cidade, esses refugiados encontram nos sinais de trânsito uma forma de ganhar dinheiro. Alguns se vestem de palhaço, outros fazem acrobacias e cospem fogo. “Cada sinal vermelho na Colômbia é uma mistura de talento, diversidade, angustia, cores, sons e horror”, conta Simón. E a história não fica muito diferente da realidade brasileira, não é?

O curta, feito no Photoshop, é dividido em três momentos, separados pelas cores do sinal de trânsito. Além da alusão aos números realizados pelos artistas de rua, a repressão policial que eles sofrem também é retratada. “Policiais eram personagens clássicos dos palhaços em circos antigos, então a ideia era unir todos esses elementos em uma única viagem, explicou o diretor em entrevista ao site Geografia Virtual.