PT | EN

Ele já trabalhou na linha de frente de mais de 40 filmes e tem um estilo único. Tim Burton já escreveu, dirigiu e produziu filmes em live action e animados, criando histórias e personagens inesquecíveis. Para alguns suas histórias têm uma estética dark, para outros o que chama atenção é seu senso de humor único. O que importa é que essa combinação produz criações brilhantes!

Tim Burton trabalhando em "Frankenweenie"

Burton nasceu em Burbank, California, mas ao invés de se divertir sob o sol californiano, encontrava prazer pintando, desenhando e assistindo a filmes. “É importante retomar o seu background e como você se sentia quando criança ou adolescente. Aquele sentimento de isolamento, estar sozinho, estar dentro da sua própria cabeça, da sua própria mente…Sempre foi algo que eu senti muito fortemente”, disse ele em entrevista à equipe do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque em 2009. Desde pequeno ele foi uma criança introspectiva; não ia bem na escola e se espelhava em ídolos como Vincent Price, famoso ator de filmes de terror e que mais tarde inspiraria (e narraria!) uma das animações de Tim, “Vincent”:

Para alimentar seu interesse pelas mais diversas formas de arte, Burton estudou no California Institute of the Arts, onde escreveu, animou e dirigiu Stalk of the Celery Monster”, utilizando somente lápis, papel e uma câmera 8 mm:

Com o aperfeiçoamento de sua técnica, Burton foi logo chamado para integrar o quadro de funcionários da Disney como aprendiz. Quem nunca sonhou em trabalhar em um estúdio que produziu animações históricas? Entretanto, as coisas não foram tão fáceis assim. Apesar de trabalhar na equipe de animação de filmes como “Tron” e “O Cão e a Raposa”, o estilo peculiar de Burton logo se chocou com os padrões da Disney, e após dirigir “Vincent” eFrankenweenie ele foi demitido da empresa. Sim, a versão original de “Frankenweenie” era um live action filmado em 1984. Esse longa metragem representou o estopim para que ele fosse embora da Disney, que esse ano voltou atrás e lançou o remake animado deste mesmo filme.

Os cartazes do filme. Original à direita e remake animado à esquerda.

Suas produções posteriores consolidaram, uma após a outra, um estilo bastante característico. Sua carreira alterna entre animações e filmes live action, como “Beetlejuice”“Batman, O Retorno”, “Edward Mãos de Tesoura”, “Alice no País das Maravilhas” e “A Fantástica Fábrica de Chocolate”, os três últimos estrelados por Johnny Depp, que já atuou em oito filmes do diretor.

Burton e Depp em ação no filme "Alice no País das Maravilhas"

Todos os seus filmes, tanto live action quanto animações, possuem uma linguagem própria e bem estruturada, que funciona quase como uma homenagem àqueles que não se sentem adequados à sociedade: “A palavra ‘normal’ sempre me assustou, porque ela indica alguma coisa subversivamente aterrorizante de certa forma”.

Sketch

Um dos sketchs de Tim Burton que foram expostos no MoMA

Uma de suas criações animadas mais célebre é “O Estranho Mundo de Jack”, longa-metragem em stop motion escrito e produzido por ele que conta a história de Jack Skellington, um morador da “Cidade do Halloween” que abre um portal para a “Cidade do Natal”. No vídeo abaixo é possível ver as cenas do longa comparadas ao storyboard:

Assumidamente marcadas pela estética do expressionismo alemão e cineastas incríveis como Fritz Lang e Georges Mélliès, suas criações têm uma estética sombria e fantasiosa, transpirando a sensação de estar em um universo imaginário.

Quadro de "Metropolis", de Fritz Lang

Para ambientar suas histórias, Tim conta com uma trilha sonora feita sob medida. Danny Elfman é outro parceiro de longa data do diretor e já trabalhou em 12 de seus filmes compondo canções originais. No vídeo abaixo é possível conferir um pouco do processo criativo da composição das músicas do filme “A Noiva Cadáver”, outro grande sucesso animado de Burton:

Quais serão seus próximos passos? Não tem como prever o que seu imaginário irá produzir, mas com certeza podemos esperar criações sempre originais e espetaculares.