PT | EN

Uma animação infantil inspirada por uma música clássica. Foi assim que começou a construção do curta-metragem Damned, exibido no ANIMA MUNDI. E esse era justamente o tema da música: a competição de dois homens pela construção da melhor casa. O resultado são edificações gigantes que acabam desabando.

O Castor Ambicioso, título em português do filme, transporta essa história para o mundo animal. O diretor Richard Phelan escolheu um castor como personagem principal porque a tensão seria muito maior. A destruição da casa de um castor poderia assolar toda a floresta, já que esses roedores moram em barragens que desviam o curso de rios.

O desenvolvimento do design dos personagens teve como inspiração dois ilustradores: Bil Watterson, chargista responsável pela clássica tirinha Calvin and Hobbes, e Quentin Blake, desenhista de livros infantis. O animador cita como referência a simplicidade dos desenhos destes dois artistas, e a capacidade de excluir tudo que não é extremamente necessário.

O castor de Damned

O castor de Damned, 12 meses para ser completado

Com tanta simplicidade no traço, Richard resolveu pesar a mão no roteiro: o inglês passou um bom tempo vendo e revendo o animatic, versão animada do storyboard, e fazendo notas sobre o timing do filme. Ele escrevia se em alguma cena “a piada não funciona”. Assim, o ritmo da animação foi cuidadosamente planejado, principalmente por ser um filme sem falas.

Tanto cuidado resultou em um ano de trabalho para terminar Damned, curta de quatro minutos, feito como projeto de graduação da National Film and Television School. A animação foi feita em desenho e finalizada em After Effects. Phenan comenta que um dos momentos mais tensos e instigantes da sua vida foi quando exibiu seu filme no cinema da faculdade em Londres. Ele conta que no momento pensou: “Se ninguém rir serão quatro minutos de muita tensão“. Para o alívio do animador, a plateia londrina riu. Se os sérios ingleses se renderam, imagina os brasileiros?

Design simples é a meta de Richard Phelan

Design simples é a meta de Richard Phelan