ANIMEMÓRIA
2008

Vinheta

Catálogo

Ilustração do Ano

O autor da ilustração e da vinheta do festival de 2008, o animador japonês Koji Yamamura, foi nosso convidado em 2003. Na trupe colorida enviada do outro lado do mundo, temos um peixe de onde brota uma misteriosa planta. O desenho de personagens, a animação e a música também são de Koji.

Galeria de Fotos

Destaques

Mostras Especiais

Ray Harryhausen é um mestre do cinema de animação que inspirou uma legião de artistas de efeitos especiais. Ao longo de três décadas, Harryhausen encantou platéias do mundo inteiro com sua mistura de stop-motion com cinema de ação ao vivo, dando vida a criaturas como polvos gigantes, esqueletos, discos voadores e outros monstros. Além de uma Mostra Especial com cinco longas memoráveis de Harryhausen, seu agente Arnold Kunert, falou sobre a obra desse artista no Papo Animado.

Em 2008, o Anima Mundi apresentou uma seleção especial de filmes de animação do Open Cinema, o maior festival de curtas metragens da Rússia. O evento é realizado ao ar livre em São Petersburgo com obras do mundo todo, trabalhando em parceria com alguns dos maiores festivais e estúdios do mundo, com o intuito de promover e democratizar o cinema autoral.

Instalação Animada e Oficina Oups!

Uma vídeo-instalação interativa na qual, ao adentrar a sala de projeção, o visitante tem sua imagem captada e projetada numa tela. O espectador-participante passa então a interagir com as animações que vão aparecendo nessa tela. Durante o Anima Mundi, o público criou animações em parceria com os autores da instalação Márcio Ambrósio e Sophie Klecker. As animações realizadas nessa oficina hoje fazem parte da videoteca Oups!.

Galeria Anima Mundi

Há certas obras de animação que, por sua proposta não-convencional ou experimental, merecem ser vividas em um ambiente mais próximo de uma galeria de arte do que de uma sala de cinema. Mantendo nossa tradição em abrir espaço para formatos e linguagens diversificadas, criamos a Galeria ANIMA MUNDI.

Concebida especialmente para animações de forma e conteúdo originais e investigativos, a galeria permitiu ao público a apreciar estas obras sem limitação de tempo em um espaço diferenciado.

PikaPika

O grupo japonês Tochka realiza as mundialmente conhecidas animações PIKAPIKA. Além disso, realizam workshops e performances em que as pessoas desenham no espaço com lanternas de luzes coloridas. Esses esboços de luz, sempre à noite, são capturados por uma câmera fotográfica e depois transformados em animação.

Os artistas que criaram o projeto já foram premiados com o Grand Prix no Festival de Curtas-Metragens de Clermont-Ferrand e receberam uma Menção Honrosa no Festival de Animação de Ottawa. O grupo Tochka realizou performances do PIKAPIKA seguidas de um workshop ao ar livre.

Anima Forum
Nos seus dezesseis anos de existência, o Anima Mundi acompanhou uma espantosa evolução na animação brasileira. Das duas ou três obras brasileiras inscritas no início às atuais mais de trezentas enviadas a cada ano, o salto foi espetacular. Crescemos em número e em qualidade. O público não só acompanhou como foi determinante nesse crescimento, tornando o Anima Mundi um dos três maiores festivais de animação do mundo!

Fomos para festivais no exterior, abrigamos as primeiras reuniões da Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA) e confirmamos nossa condição de celeiro de talentos na animação exportando artistas para os maiores estúdios do planeta. Agora, queremos ampliar a escala da produção nacional e consolidar uma nova indústria no Brasil: a de produção de séries para TV, especiais e longa metragens de animação.

Provamos ter recursos humanos e disposição para encarar este desafio. Mas o que falta então para vermos séries de animação brasileiras nas TVs do Brasil e de outros países?

No Anima Forum 2008, esta e muitas outras perguntas foram debatidas e respondidas. Um espaço onde a animação foi encarada como negócio e projeto estratégico, convivendo com o festival, onde a animação era celebrada enquanto arte.

Um ponto de convergência entre os mais diversos setores envolvidos: artistas, produtoras independentes, redes de TV públicas e privadas, abertas ou a cabo, distribuidores, órgãos governamentais e co-produtores internacionais.

Neste ano, contamos com uma avaliação do mercado internacional por uma das maiores especialistas na área; conhecemos as iniciativas de vários órgãos – como o MinC, BNDES, ANCINE e APEX – no sentido de incentivar a produção nacional; debatemos o papel das TVs públicas na produção de animação e buscamos oportunidades de parcerias dentro da América Latina em busca da construção de uma identidade latino americana nas produções de animação.

O desafio está lançado. A meta não é exportar mais animadores brasileiros, mas sim animação brasileira!

Palestras
Três convidados falaram sobre o processo de criação dos longas exibidos no festival “Delgo”, “Belowars” e “Martín Fierro”.

Paulo Munhoz, diretor de “Belowars”, único longa brasileiro que competiu em 2008, compartilhou com o público sua experiência na adaptação do livro “Guerra Dentro da Gente”, do poeta Paulo Leminski. O filme narra a história de Baita, um menino que conhece um velho que se oferece para iniciá-lo na arte da guerra.

Marc Adler, co-diretor do longa “Delgo”, deu uma palestra sobre o épico passado na galáxia de Imhoff, devastada pela guerra. Duas raças vivem segregadas, até que a princesa Zandra inicia uma amizade proibida com Delgo, um jovem sonhador e aventureiro. Foi o vencedor do prêmio de melhor longa no júri popular carioca.

Horacio Grinberg, um dos roteiristas de “Martín Fierro”, falou sobre a adaptação do poema homônimo de José Hernández. O filme é uma co-produção entre Argentina e Espanha, dirigida por Liliana Romero e Norman Ruiz.

Encerrando o Ciclo de Palestras, Heather Kenyon, ex-diretora de desenvolvimento de séries originais no Cartoon Network, deu uma palestra sobre documentos de pitching para o mercado internacional, abordando elementos essenciais em um projeto de sucesso e os erros mais comuns na área.

Workshop
A americana Jean Ann Wright abordou o processo de desenvolvimento e escrita do roteiro, da idéia inicial à versão final. Ao longo de sua carreira, Jean já vendeu trabalhos para DIC Entertainment, Hanna-Barbera e Filmation.

Sua carreira em animação começou em 1978 com um estágio na Hanna-Barbera, onde trabalhou durante oito anos como animadora em produções como Os Flintstones, Scooby-Doo, Os Jetsons e Os Smurfs. Experiência na qual aprendeu muito sobre escrever e desenvolver roteiros, storyboards, layouts, design de personagens e animação.

Andreas Hykade (Alemanha)

Renomado diretor alemão, ao longo de sua carreira, dirigiu rigorosos filmes pessoais inspirados em suas memórias de infância no interior da Alemanha: “We Lived in Grass” (Vivíamos no Campo, 1995), sobre o despertar sexual a partir da perspectiva de uma criança; “Ring of Fire” (Círculo de Fogo, 2000), um Western neo noir que apresenta dois caubóis numa frenética aventura onírico-erótica; e “The Runt” (O Nanico, 2006), um filme conciso e emocionante que investiga temas profundos como a morte e os rituais de passagem.

Em 2005, Hykade tornou-se professor de animação na Kunsthochschule Kassel. Além dos longas citados, realizou ainda videoclipes, instalações e comerciais.

Ray Harryhausen por Arnold Kunert (Estados Unidos)

Arnold Kunert vem trabalhando como agente de Ray Harryhausen há uma década, mas acompanha o trabalho desse gênio do stop-motion desde o início dos anos 1950.

Arnold falou sobre os efeitos pioneiros de Harryhausen em produções inesquecíveis de stop-motion e ação ao vivo como “O Monstro do Mar” e “A Fúria dos Titãs”. Nos últimos anos, esteve envolvido com lançamentos em DVD das obras de Harryhausen, além de produzir “Ray Harryhausen: The Early Years Collection”, uma compilação dos primeiros trabalhos de Harryhausen.

Além do Papo Animado com Arnold, o Anima Mundi homenageou esse artista singular com uma mostra especial de alguns de seus longas.

James McCoy da Blizzard Entertainment (Estados Unidos)

McCoy falou com o público sobre o trabalho desenvolvido na Blizzard, uma empresa conhecida no mundo todo por jogos de computador como World of Warcraft, Warcraft III: Reign of ChaosTM, Diablo II e StarCraft. Além disso, a Blizzard reúne também milhões de usuários através de seu serviço de jogo on-line. A criação mais recente da Blizzard, World of Warcraft: The Burning Crusade, a expansão do jogo mais vendido e premiado da empresa, vendeu o recorde de 2,4 milhões de cópias nas primeiras 24 horas após seu lançamento.

O grupo de pesquisa e desenvolvimento da Blizzard inclui mais de 250 designers, produtores, programadores, artistas e engenheiros de som que são verdadeiros entusiastas da arte de produzir games de computador.

Daniel Schorr (Brasil/Canadá)

Daniel é um dos fundadores da produtora cinematográfica Mil Folhas. Após concluir o Mestrado em Estudos Cinematográficos na Universidade Concórdia, Schorr mudou-se para Montreal, onde vive há dezesseis anos.

Além de curta-metragens de animação, co-realizou diversos filmes com o National Film Board of Canada (NFB), como “Jours de Plaines” (1991), “In Search of the Dragon” (1991), “Jonas e Lisa” (1995) e “Snow Cat” (1998). Para o premiado “Jonas e Lisa”, Schorr fez uma pesquisa junto a meninos de rua do Rio de Janeiro, tendo produzido o vídeo “Vida de Menino de Rua” (1992) com esse grupo de crianças.

Juan Pablo Zaramella (Argentina)

Juan Pablo Zaramella nasceu em 1972, em Buenos Aires, Argentina. Formado em Direção de Animação no Instituto de Arte Cinematografico de Avellaneda, iniciou sua carreira fazendo filmes de animação para o mercado publicitário.

Em 1998 começou a trabalhar como ilustrador para o jornal Clarín. Alguns desses trabalhos foram premiados internacionalmente pela Society of News Design (SND). Desde 2000, Zaramella vem fazendo filmes de animação Zaramella iniciou sua carreira fazendo filmes de animação para o mercado publicitário.

Em 1998 começou a trabalhar como ilustrador para o jornal Clarín. Alguns desses trabalhos foram premiados internacionalmente pela Society of News Design (SND). Desde 2000, Zaramella vem fazendo filmes de animação independentes em parceria com sua mulher, Silvina Cornillón.

O primeiro filme da dupla foi “El Desafío a la Muerte” (O Desafio à Morte, 2001). Depois, veio “Viaje a Marte” (Viagem a Marte, 2005), em parceria com o roteirista Mario Rulloni, que recebeu mais de 45 prêmios mundo afora, entre os quais o de Melhor Curta-Metragem pelo Júri Popular (RJ) no Anima Mundi.

Seu filme mais recente, “Lapsus” (2007), Melhor Curta-Metragem pelo Júri Popular (SP) no Anima Mundi, conta a história de uma freira dividida entre a luz e as trevas.

Prêmios Júri Profissional

Melhor Trilha Sonora:
“KFJG Nº 5”
Alexei Alexeev
Hungria

Melhor Animação:
“Madame Tutti-Putti”
Chris Lavis e Maciek Szczerbowski
Canadá

Melhor Direção de Arte:
“Yours Truly”
Osbert Parker
Reino Unido

Melhor Filme de encomenda:
“Sony Bravia – Play Doh”
Frank Budgen e Darren Walsh
Reino Unido

Melhor Roteiro:
“La Maison en Petits Cubes”
Kunio Kato
Japão

Prêmios Júri Popular

Melhor Curta-Metragem RJ / Best Short Film RJ
RJ
1º – “Dossiê Rê Bordosa”, César Cabral, Brasil
2º – “La Queue de la Souris”, Benjamin Renner, França
3º – “Premier Voyage”, Grégoire Sivan, França

SP
1º – “Dossiê Rê Bordosa”, César Cabral, Brasil
2º – “Isabelle au Bois Dormant”, Claude Cloutier, Argentina
3º – “Oktapodi”, Julien Bocabeille, François Xavier Chanioux, Olivier Delabarre, Thierry Marchand, Quentin Marmier e Emud Mokhberi, França

Melhor Animação Infantil RJ/SP
RJ
1º – “Um Dia de Sol (Ein Sonniger Tag)”, Gil Alkabetz, Alemanha
2º – “A Maldição de Skull Rock (The Curse of Skull Rock)”, Ben Smith, Reino Unido
3º – “Seu Lobo”, Humberto Avelar, Brasil

SP
1º – “Um Dia de Sol (Ein Sonniger Tag)”, Gil Alkabetz, Alemanha
2º – “Seu Lobo”, Humberto Avelar, Brasil
3º – “Cucurujas (Huhu – Pole Hole)”, Alexei Alexeev, Hungria

Melhor Filme de Estudante RJ e SP:
RJ
1º – “La Queue de la Souris”, Benjamin Renner, França
2º – “Oktapodi”, Julien Bocabeille, François Xavier Chanioux, Olivier Delabarre, Thierry Marchand, Quentin Marmier e Emud Mokhberi, França
3º – “Maman Je t’aime”, Mickael Abensur, Antoine Collet e Damien Dell’omodarme, França

SP
1º – “Oktapodi”, Julien Bocabeille, François Xavier Chanioux, Olivier Delabarre, Thierry Marchand, Quentin Marmier e Emud Mokhberi, França
2º – “Blind Spot”, Johanna Bessiere, Cecile Dubois Herry, Simon Rouby, Nicolas Chauvelot, Olivier Clert e Yvon Jardel, França
3º – “La Queue de la Souris”, Benjamin Renner, França

Melhor Animação Brasileira RJ/SP
RJ
1º – “Dossiê Rê Bordosa”, César Cabral
2º – “Calango Lengo – Morte e Vida sem ver Água”, Fernando Miller
3º – “Seu Lobo”, Humberto Avelar

SP
1º – “Dossiê Rê Bordosa”, César Cabral
2º – “Seu Lobo”, Humberto Avelar
3º – “O Jumento Santo e a Cidade que se Acabou Antes”, William Paiva e Leo D.

Melhor Longa RJ e SP:
RJ
1º – “Delgo”, Marc F. Adler & Jasin Maurer, Estados Unidos
2º – “Princess”, Anders Morgenthaler, Dinamarca
3º – “Idiots and Angels”, Bill Plympton, Estados Unidos

SP
1º – “Princess”, Anders Morgenthaler, Dinamarca
2º – “Idiots and Angels”, Bill Plympton, Estados Unidos
3º – “Delgo”, Marc F. Adler & Jason Maurer, Estados Unidos

Prêmnio Núcleo de Cinema de Animação em Campinas

“O Povo Atrás do Muro”
Marconi Loures de Oliveira

Demais Prêmios

Prêmio dos diretores de Anima Mundi
“La Queue de la Souris”
Benjamin Renner
França

Prêmio Aquisição Canal Brasil
“Dossiê Rê Bordosa”
César Cabral
Brasil

Making Off

Telefones: (55 21) 2543-8860
(55 21) 2541-7499
fb-form insta-form tt-form yt-form
Telefones: (55 21) 2543-8860
(55 21) 2541-7499
fb-form insta-form tt-form yt-form